24 de jul de 2015

Jeitinho... positivo!

Abominamos o famoso "jeitinho brasileiro", nao é mesmo'?!
Ele simboliza para nós uma esperteza desonesta que esteve presente muito tempo em nossa sociedade (quero crer que está se erradicando essa doença).
Mas, existem horas que podemos dar um jeitinho, usando a criatividade honestamente, e criar substitutos para as nossas carências.
No scrap fazemos muito isso... pelo menos nós brasileiras menos privilegiadas, que nao podemos recorrer às compras todos mês e, muito menos, viajar aos Estados Unidos sempre -  me incluo neste desfavorecido grupo, he he he.
Penso que com muitas de nós acontece de faltar aquela tinta  spray linda, aquele carimbo divino ou aquela máscara bárbara bem na hora de executarmos um novo projeto "escrepeiro"...
Bem, hoje vou compartilhar o jeitinho de fazer a máscara em casa - embora saiba que algumas já conhecem, para alguém poderá ser útil.
Estava fazendo um mini especial para a Cerrado Papelaria, com os lindíssimos papéis da Prima , Butterfly collection,  e precisava (uma necessidade enorme que nós escrepeiras temos sempre, rs) de uma máscara de borboletas... triste... nao tinha disponível...
Bem, a figura de uma revoada de borboletas eu tinha! Entao entrou em campo nossa amada amiga "Silhouette" (a minha é a simples Portrait!) e pude rastrear a figura para corte.
 Usei:
velocidade: 3
profundidade: 33
agulha : corte 4
acetato: PVC20 (um pouco mais firme que o usado em transparência)
O corte saiu ótimo!
Com pasta de modelagem tingidinha de rosa, pude acrescentar este elemento embelezador ao nosso mini!!


Ficou bem delicado e gostei do resultado.
Ainda assim, o jeitinho ainda precisou de uma ferramenta especial como a Silhouette... mas, as lojas de scrap costumam disponibilizar o corte para quem nao possui a máquina (Pelo menos  a Cerrado, aqui em Sorocaba, o faz!)
Espero que tenham gostado! Em breve colocarei as fotos do mini e postarei outras dicas também.
Bjks e obrigada pela visita!!

 “É melhor ter companhia do que estar sozinho, porque maior é a recompensa do trabalho de duas pessoas. Se um cair, o amigo pode ajudá-lo a levantar-se. Mas pobre do homem que cai e não tem quem o ajude a levantar-se!” (Eclesiastes 4:9-10)